Blog

Como se tornar um redator freelancer?


como se tornar redator freelancer

Tornar-se um redator freelancer é uma decisão importante que você deve tomar enquanto profissional. Até porque, dentre muitos aspectos, trata-se em uma constante prospecção de novos clientes, lidar com adversidades e, acima de tudo, em tentar manter o trabalho com uma certa rentabilidade.

Como você sabe, a Internet está repleta dos paraquedistas de plantão, nos mais diversos nichos de mercado. Todos, de certa forma, tentando levar vantagem nos diferentes ofícios, muitas vezes causando saturação e até a diminuição de valores dos trabalhos.

Portanto, quando se é um redator profissional dedicado, o destaque acontece de maneira natural, ainda que se leve algum tempo para o reconhecimento vingar.

Como dizia aquele velho ditado, “o barato sempre sai caro”, e é o que se vê na maioria dos trabalhos em contratação freelancer, ou seja, sem vínculo empregatício com as empresas.

Em outras palavras, é muito comum nos depararmos com trabalhos que pagam valores irrisórios, que muitas vezes faltam com o respeito, e que mesmo assim são aceitos por pessoas inexperientes.

Entretanto, ao dominar o caminho das pedras, a tão sonhada liberdade profissional acontece em um piscar de olhos!

Sob regime de contrato com exclusividade, é comum nos depararmos com vagas que pagam entre R$ 1500 a R$ 2500 para os redatores. Inclui-se aí registro em carteira (CLT), ou até mesmo emissão de nota fiscal eletrônica, porém atendendo aos pedidos daquela agência ou empresa.

Quando se é redator freelancer profissional, a coisa muda de figura. É totalmente viável formalizar uma renda que vai de R$ 5.000 a R$ 10.000 por mês, dependendo do caso, como quantidade de trabalhos e formas de cobrança.

Porém, como faço para alcançar esta cifra? Ou até mesmo como faço para ingressar no mercado de conteúdo digital, de maneira profissional, correta e sem amadorismo? É o que tentaremos mostrar neste singelo artigo.

Redator freelancer: escrever bem não é o suficiente

Em qualquer profissão, dominar um assunto específico é praticamente obrigatório. Em outras palavras, se você é músico e está participando de uma audição para ingressar na banda X, é óbvio que deve saber tocar bem as músicas do repertório.

Quer um exemplo?

Em 2011, o baterista norte-americano Mike Portnoy anunciou que estava saindo do Dream Theater.

Projeto este que ele mesmo ajudou a conceber, no final dos anos 1980.

Transtornados e com um disco e turnê pela frente, os outros membros aceitaram a saída e foram em busca de um novo baterista.

Para essa audição, eles gravaram uma espécie de reality show, convidando 7 dos maiores bateristas do planeta, vindos de várias partes do mundo (basicamente Europa, Estados Unidos e América do Sul).

Dentre os músicos convidados, estava o baterista sul-africano e naturalizado brasileiro Aquiles Priester (Angra, Hangar, Wasp), que não conseguiu passar no teste.

Priester, por sinal, sabia todas as músicas e as executou muito bem. Porém, isso não foi o suficiente para oficializar a entrada no grupo.

Entre diversos requisitos, estava a priorização do Dream Theater diante outros projetos paralelos, e a facilidade que o músico escolhido teria em encontrar a banda (passagens aéreas, hotel, deslocamento, etc.).

Esta série de vídeos, aliás, está no YouTube.

Este exemplo não é para desmerecer ninguém, que fique claro.

Enfim, vamos continuar falando sobre o que interessa.

No caso do redator freelancer, saber escrever bem é o mínimo, porém não é o suficiente. Como se trata de uma profissão não regulamentada (qualquer profissional pode escrever textos), existem alguns conceitos e técnicas específicas para o conteúdo na Web.

Veja abaixo algumas delas.

Procure certificações em Marketing Digital

Existem inúmeras certificações em Marketing Digital, sendo que uma boa parte delas são 100% gratuitas.

Exemplo claro e conhecido são aquelas oferecidas pela agência mineira Rock Content. Dentro da universidade, é possível aprender sobre os seguintes temas:

  • Marketing de Conteúdo
  • Conteúdo para Web
  • CopyWriting
  • Revisão de textos
  • Gerenciamento de Mídias Sociais

É importante frisar que o texto escrito para a Web não tem nada a ver com Jornalismo tradicional ou redação publicitária. Isso, aliás, eu comentei em outro artigo do blog…

Outro ponto importante é que estes cursos, ainda que sejam bons e extremamente válidos, são indicados para quem está ingressando neste mercado.

Se você quiser ir mais a fundo, a única solução viável é adquirir as certificações pagas, que podem ser compradas na Udemy, por exemplo.

Entregue as peças no prazo

Pode parecer extremamente óbvio este tópico, mas não é quando nos deparamos com a realidade do mercado.

Um bom redator profissional se destaca dos demais quando entrega as demandas no prazo estipulado com o cliente.

Ainda que o prazo seja apertado, isso não significa que você deva escrever correndo ou de qualquer jeito. A atenção à gramática e a escrita objetiva é crucial.

Antes de tudo, o texto deve ser leve, porém consistente, autêntico e muito bem escrito.

Tenha um CNPJ na categoria MEI ou ME

Hoje, diversas profissões sofrem da chamada “pejotização”. Na incapacidade de contratar em regime CLT, ter um CNPJ próprio para emissão de notas fiscais como prestador de serviços tornou-se a opção mais viável e barata, tanto para o trabalhador como para o empresário.

No caso do redator, é possível obter um CNPJ na modalidade Micro-empresa Individual (MEI) ou Micro Empresa. Apesar dos nomes parecidos, existe diferença no faturamento, auxílio de contador, IRPJ, etc.

Se você quiser pegar trabalhos de forma garantida, a resposta é muito simples: seja MEI.

Nunca pare de estudar

Por fim, é importante nunca parar de estudar. Como você pode fazer isso? Veja alguns exemplos:

  • Procurar cursos e certificações pagas ou gratuitas sobre o tema (SEO, Google Analytics, Marketing de Conteúdo, Inbound Marketing, Copywriting, etc)
  • Assinar e ler newsletters de empresas que entendem do assunto (Moz, Ubersuggest, SemRush, Rock Content, etc.)
  • Estar em contato com outros redatores, não exatamente do seu nicho de negócio
  • Ler livros sobre Marketing e suas ramificações
  • Ouvir os principais influenciadores do marketing digital (Seth Godin é um deles)

Afinal, vale a pena ser um redator freelancer?

Se você almeja liberdade profissional e encarar novos desafios todos os dias, sim, vale bastante a pena ser redator.

Porém, leva algum tempo para se destacar no mercado e conquistar clientes fixos. Assim como todas as outras profissões, o redator freelancer exige muita paciência, jogo de cintura e, claro, postura profissional.

Deixe um comentário ou compartilhe este artigo com os seus amigos!


Leave a comment

Your email address will not be published.